Balanço dos últimos acontecimentos no País. (Após a Trégua)

Segundo fontes do Boletim Informativo da Renamo a Perdiz, ficamos a saber que há provocações em violação das tréguas declaradas no País.

Como exemplo na Província de Tete, localidade Biribiri a força da guarda fronteira com o Malawi matou a tiro um membro da Renamo chamado Mácio Loide no dia 2 de Janeiro de 2017, este acontecimento criou revolta e fúria nas populações locais, ainda em Tete os Delegados Distritais da Renamo e as suas cúpulas nos distritos de Macanga, Chiuta e Chifunde foram obrigados a refugiarem-se na cidade de Tete por serem perseguidos por antigos combatentes da Frelimo que ameaçam os raptar,  este acontecimento também deu-se no dia 2 de Janeiro de 2017.

As Forças da FIR na Província de Manica, estacionadas em Chipungabeira, foram a fronteira com o Zimbabwe na zona de Mude onde emboscaram as populações que estavam de volta ao País que os viu nascer tendo em conta que durante o conflito haviam se refugiado no Zimbabwe, e arrancaram os bens destes populares alimentação e animais domésticos de pequeno porte tais como galinhas, cabritos, patos e outros, os que reclamam são espancados e ameaçados de morte.

No distrito de Barué posto administrativo de Honde as Forças da FIR ai estacionadas deslocaram-se as zonas de Mpanze perto da fronteira com o Zimbabwe e invadiram a propriedade do Sr. Horácio Felisberto Camilo onde destruíram a moageira tendo levado todas componentes mais importantes, dezassete cabritos, vinte mil meticais em dinheiro, uma bicicleta, uma motorizada, um aparelho gira-discos, dois vídeos, DVDs, um amplificador de som, um televisor, dois painés solares, duas baterias, cinquenta galinhas vivas, quatro perus, onze panelas de cozinha, oito mantas de cama, trinta e quatro pratos, duas malas grandes cheias de roupa e duas bacias,  tentaram ainda violar sexualmente a esposa do dono da propriedade tendo escapado graças a intervenção dos populares quando gritou recusando o acto.

No dia 5 de Janeiro, as mesmas forças deslocaram-se a zona de Mussize onde queimaram duas casas, espancaram brutalmente dois elementos da população. Perante este facto os populares foram a base da Renamo pedir a intervenção das Forças da Renamo pra travarem aqueles desmandos e estes recusaram intervir sem autorização do seu Comandante em Chefe e remeteram o assunto ao Presidente Dhlakama ao que reafirmou que não queria ouvir nenhuma intervenção das Forças da Renamo porque a trégua deve prevalecer. 

Nos dias 3 e 4 de Janeiro, próximo do cruzamento de Macossa na estrada Chimoio-Tete seis elementos da FIR montaram uma cancela criando um controle onde fazem cobranças ilícitas aos transeuntes desde peões até camionistas onde cobram valores que variam de 50.000,00Mt a 5.000,00MT para passagem no local . Aos membros influentes da Renamo a cobrança é triplicada e varia de 15.000,00Mt a 30.000,00MT em caso de camiões e camionetas para quem questiona é submetido a sevícias com ameaças de morte por baleamento.

Em Sofala na região de Gorongosa, na Sede do Posto Administrativo de Vunduzi, há distribuição de víveres alimentares cujo o dirigente é o Sr. Fernando conhecido como Chefe da Secretaria do Posto Administrativo de Vunduzi ele e os seus colegas dirigentes da Frelimo discriminam os beneficiários atendem em primeiro lugar os seus familiares, amigos e membros a Frelimo. Quem reclama é reprimido usando-se a polícia. A mesma polícia raptou em plena bicha quatro homens que foram desconfiados que fossem da Renamo e desconhecem-se o seu paradeiro a mais de 4 dias. No dia 5 de Janeiro as Forças de Defesa e Segurança estacionadas na Escola de Tazaronda Posto Administrativo de Vunduzi atacaram casas das populações que vivem em redor da escola. Foram a casa da irmã de um membro influente da Renamo e perguntaram pela esposa deste membro e receberam uma resposta que não permitiu a sua localização porque os residentes suspeitaram que podia se tratar duma acção de sequestro. Não tendo localizado a pretendida, levaram cabritos e galinhas da mesma família e regressaram para sua posição na escola.

Hoje dia 6 de Janeiro de 2017, cerca das onze horas dois elementos da FIR, saíram de Mutondo Posto Administrativo de Canda e foram ameaçar o líder tradicional local dizendo que estavam a fazer patrulha,  a pouco menos de 2km da posição da Renamo.

As Forças da Renamo tomaram conhecimento e viram os tais mas não reagiram mas pediram ao Presidente Dhlakama para também retribuírem com uma patrulha próximo da posição da FIR em Mutondo o que foi recusado pelo Presidente Dhlakama este acto enfureceu as populações locais e as Forças da Renamo naquela zona.

É uma realidade que as Forças do governo não estão preparadas para garantir os sessenta dias de tranquilidade previstas pelos dois dirigentes ao declararem as tréguas. 

A pergunta que se coloca é, até quando os homens da Renamo continuarão a obedecer o seu Chefe Máximo perante tamanhas provocações e pressão da população que com aqueles vive e convive?